Shibas famosos na vida e no cinema

Em estátuas e no cinema

Há um novo cão em cena com uma história que pode rivalizar com a do lendário Hachi, o cão tornado famoso pelo filme Sempre a seu Lado com Richard Gere e imortalizado por uma estátua de bronze no distrito de Shibuya, em Tóquio.

Esse novo cão nasceu em 1930 e se chamava Ishi. Sua fama decorre de que sua linhagem é responsável por todos os cães Shiba vivos, estimados em 600.000 em todo o mundo.

Uma estátua de granito em tamanho real de Ishi agora está ao lado da casa onde ele nasceu. Tem cerca de 60 centímetros de altura e 70 cm de comprimento, e é montada em uma base de 60 cm de altura.

Um pequeno salão memorial estabelecido ao lado da casa exibe fotos do cão, documentação de seu pedigree e a história de Shiba, raça muito nativa do Japão.

Outra estátua foi erguida na pousada Yumotokan no resort de águas termais Mito “onsen”, que fica perto do local de nascimento de Ishi

O certificado de pedigree emitido pela Nippo mostra que Ishi nasceu na vila de Futakawa (atual distrito de Mitocho de Masuda) em 2 de novembro de 1930.

De acordo com as pesquisas, Ishi foi criado por um caçador chamado Nobuichi Shimoyama. Seu neto Hiroyuki Shimoyama, um carpinteiro de construção de 56 anos, participou da cerimônia de inauguração da estátua de Ishi em 2 de novembro com cerca de 40 moradores locais.

“Depois de partir para Tóquio, Ishi voltou para casa como uma estátua de pedra com alma”, disse Shimoyama ao se comprometer a trabalhar com a comunidade para transmitir as estátuas e o memorial como “tesouros locais” para as gerações futuras.

Segundo os pesquisadores, um membro da filial da Nippo da província de Shimane que dirigia uma clínica odontológica em Tóquio encontrou Ishi em 1936. Ele trouxe o cão para Tóquio, onde Ishi gerou muitos filhos que levaram à explosão de Shiba hoje.

Um grupo cívico local chamado Nukumori no Sato Futakawa, foi criado para revitalizar a comunidade diante da população em declínio, arrecadou doações de moradores e empresas para produzir a estátua. Seu presidente, Takato Ushio, 69, soube em 2018 que o local de nascimento de Ishi era no distrito de Futakawa. Ele teve a ideia de criar uma estátua de pedra de Ishi com base na única foto existente do cachorro que mostra Ishi de lado.

Um pedreiro local evitou a proposta alegando que as pernas finas não suportariam a maior parte da estátua de pedra. Mas em março do ano passado, Ushio conseguiu contato com Masahiro Kamitori, 72, morador de Yokohama. Ele produziu pelo menos 200 estátuas de cachorros de pedra e concordou em criar uma de Ishi.

Em abril, Kamitori visitou Masuda para conhecer melhor o lugar onde Ishi nasceu. Ele entrou em contato com a filial da prefeitura de Shimane da sociedade de preservação de cães para obter informações detalhadas sobre as características de Ishi e o ambiente rico em natureza em que ele cresceu.

“Criei estátuas que devem durar 100 ou até 1.000 anos”, disse Kamitori. “Espero sinceramente que muitas pessoas visitem o site.”

De acordo com a Nippo, todos os Shibas recém-registrados na organização, pouco menos de 30.000 por ano – podem traçar suas linhagens até Ishi.

“Ishi era musculoso com uma construção robusta. Ele parecia forte quando estava de pé e tinha uma pelagem maravilhosamente eriçada”, disse Atsuo Yanao, 81, chefe da filial de Shimane da sociedade.

Veja aqui

Mari e seus três filhos

A Tale of Mari and Three Puppies (マリと子犬の物語, Mari to Koinu no Monogatari) é um filme japonês de 2007 dirigido por Ryuichi Inomata. Foi lançado nos cinemas japoneses em 8 de dezembro de 2007.

Uma história real

o filme é baseado em uma história real no terremoto de Chūetsu de 2004. Esta história tem sido frequentemente relatada na mídia e também foi transformada em livro.

No caminho de volta para casa, Ryota e sua irmã Aya encontraram um Shiba abandonado. A princípio relutaram em adotá-lo porque seu pai odiava cachorros. Mas, finalmente o trouxeram para casa secretamente porque ele os continuou seguindo. Para manter oficialmente o cachorro em casa, Aya disse ao avô que queria aquele cachorro como presente de aniversário. Como o avô havia prometido dar a ela qualquer coisa que ela quisesse em seu aniversário, ele relutantemente concordou.

Isso inicialmente levou a uma briga entre ele e seu filho. Enquanto isso, seu filho está pensando em se mudar para a cidade de Nagaoka de Yamakoshi, sua aldeia, reduzir o tempo necessário para que seu pai chegue ao hospital e para que as crianças vivam perto de sua escola, apesar da oposição de seu pai. Aya posteriormente nomeia a cadela Mari, e ela se torna parte da família.

Um ano depois, Mari deu à luz três filhotes. Naquela primavera, os animais se comportaram de forma estranha, prenunciando algo importante por vir. Em 23 de outubro de 2004, um grande terremoto, que mais tarde ficou conhecido como o terremoto de Chūetsu, atingiu e devastou toda a vila. Apenas o avô e Aya estavam em casa, e eles foram presos por um guarda-roupa que desabou. Mari rapidamente moveu seus filhotes para um lugar seguro antes de tentar ajudar os dois na casa.

Enquanto isso, Ryota, que estava na escola, e seu pai estavam seguros. Eles imediatamente foram para o abrigo de emergência, onde ouviram que Yamakoshi ficou isolado após o terremoto, dificultando assim a vida dos socorristas.

Mari conduz os socorristas

Posteriormente, equipes de resgate das Forças de Autodefesa do Japão começaram a vasculhar a vila e evacuar as pessoas de helicóptero. Mari notou dois desses socorristas e acabou levando-os até Aya e seu avô.

Graças a Mari, os dois foram extraídos com sucesso dos destroços. Seu avô havia perdido muito sangue e, portanto, o casal foi evacuado por via aérea. No entanto, quando Aya estava prestes a ser evacuada, ela pediu que Mari também fosse levada.

Os socorristas recusam relutantemente este pedido, e vendo sua dor por ser separada do cachorro, eles se sentiram extremamente mal. Até pediram desculpas a ela quando eles se encontraram novamente no abrigo de emergência.

Sem seu dono, Mari tenta de todas as maneiras proteger seus filhotes e alimentá-los adequadamente. Também esperou pacientemente pelo retorno de seu dono.
Um dia, Aya leu em um jornal que uma chuva torrencial em breve inundaria Yamakoshi e ficou preocupada com Mari. Ela convence Ryota a se infiltrar na zona do desastre para resgatar Mari. Juntos, eles fugiram para a aldeia devastada, mas têm dificuldades em navegar pelos escombros de lá. Para piorar as coisas, eles também tiveram que lidar com tremores secundários e chuva forte. Neste terreno traiçoeiro, Aya corta o pé, tornando doloroso para ela continuar. Mais tarde, ela fica com febre alta e Ryota entra em pânico, sem saber o que fazer nessa situação. Por sorte, alguém que os viu saindo do abrigo contou a seu pai sobre seu paradeiro, e seu pai conseguiu encontrá-los depois de uma longa busca.

Após este incidente, Aya não mencionou mais sobre Mari. Quando os tremores secundários diminuíram, cada família pôde enviar um representante para ir à aldeia para avaliar os danos e coletar itens pessoais.

Como todos no abrigo ouviram a história de Mari, algumas pessoas abrem mão de seus lugares para deixar Ryota e Aya procurarem por Mari novamente. Após uma longa busca, não havia sinal de que Mari ou seus três filhotes estivessem vivos. Quando eles estavam prestes a desistir, um cachorrinho aparece, seguido pelo resto dos cães. A família alegremente levou os cães de volta ao abrigo em meio a aplausos dos moradores.

A comovente história de Mari é um exemplo típico de confiança mútua e amor entre os seres humanos e animais que acabou virando um livro ilustrado, que fez muito sucesso no Japão. Parte do dinheiro das vendas foi destinado para a reconstrução e fundos de ajuda para as áreas afetadas pelo terremoto de 2004.

Em 2 de agosto de 2005, os moradores realizaram uma celebração com fogos de artifício em homenagem à coragem de Mari, na cidade vizinha de Yamakoshi. A celebração também tinha o propósito de trazer encorajamento e esperança para aqueles que haviam perdido tudo que tinham durante o terremoto.

Em 2 de agosto de 2005, os moradores realizaram uma celebração com fogos de artifício em homenagem à coragem de Mari, na cidade vizinha de Yamakoshi. A celebração também tinha o propósito de trazer encorajamento e esperança para aqueles que haviam perdido tudo que tinham durante o terremoto.

Em 2007, um filme foi feito baseado na história verídica de Mari. O filme chama-se “Mari To Koinu No Monogatari” (A Tale of Mari and Three Puppies ou A história de Mari e seus três filhotes em português) e foi dirigido por Ryuichi Inomata. Difícil não se comover com a história. A música tema do filme chama-se Tsubomi, da banda Kobukuro.

O filme tem alguns fatos diferentes da história original, como as duas crianças (Aya e Ryota), que foram colocadas no filme para dar mais emoção, eu creio. Mas mesmo assim, vale a pena assisti-lo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?