Cão Japonês Nativo e a caça – herança ancestral

Traduzido por William Soares, de um post do Blog da Nippo (20/03/2014) e mesclado com um estudo sobre a origem do cão

Anatomia do Cão Nativo Japonês

O cão japonês é, antes de tudo, um cão de caça. Costuma-se dizer que um Cão Nativo Japonês que não caça não é um verdadeiro Cão Japonês. A caça é a única razão pela qual essas raças nasceram, e é a razão pela qual ainda existem hoje. Todo o padrão para essas raças foi escrito para preservar as características vistas em um sólido cão de trabalho.

Infelizmente, o Cão Nativo Japonês de hoje é principalmente criado para exposições, levando a uma diminuição no número de cães capazes de trabalho. Com a diminuição de caçadores no Japão, cada vez mais cães são criados com estruturas e temperamentos não funcionais. No Japão, o caçador moderno geralmente possui uma das muitas raças ocidentais criadas para caça, e caçadores de grandes animais muitas vezes usam ‘ji-inu’, que se traduz como ‘cão local’.

Essas raças muitas vezes são vagamente baseadas no Cão Nativo Japonês original, o que faz sentido, já que as 6 raças de Cão Nativo Japonês foram originalmente formadas a partir de cães comprados (ou roubados!) de caçadores de montanha. Esses ji-inu são uma mistura de muitas raças, e alguns também incluem sangue de raças ocidentais como de cães farejadores.

O estilo de caça no Japão também mudou ao longo dos anos. Desapareceu o ‘matagi‘ antigo, os caçadores de subsistência que caçavam grandes animais, geralmente sozinhos, e frequentemente com apenas 1 ou 2 cães. O caçador de hoje geralmente caça em grandes grupos (semelhante às caçadas europeias), com matilhas de cães que espantam a presa. O matagi caçava em um estilo conhecido como ‘nagashi-ryo’, onde o caçador e o cão trabalham juntos como uma equipe, o cão mantendo proximidade e verificando regularmente com o caçador enquanto caminhavam pela montanha, muitas vezes por muitas milhas.

matagi e seu cão

O Cão Nativo Japonês de caça experiente avalia seu oponente mesmo antes de vê-lo, com base inteiramente no odor do animal.

Um caçador profissional como o matagi não tinha interesse em cães agressivos ou excessivamente avançados que continuariam a se machucar ao lidar com animais perigosos. Eles valorizavam cães de qualidade que podiam caçar sozinhos ou em pares. Mais cães significam mais bocas para alimentar, e para um matagi que vive em uma pequena comunidade de montanha, alimentar um grande grupo de cães exigiria muito esforço. O termo ‘ichijyu ikku’ significa ‘uma arma, um cão‘, descrevendo essencialmente o modo de caça do matagi. Um homem e um cão, trazendo com sucesso carne para a mesa. Um cão que pode caçar sozinho com uma alta taxa de sucesso é uma posse valiosa mesmo hoje.

C


Cada um dos Cães Nativos Japoneses especializava-se na caça ao tipo de presa que habitava sua região de origem. O Kai caçava Kamoshika nas altas montanhas da prefeitura de Yamanashi, razão pela qual a raça ainda é a mais ágil dos Cães Nativos Japoneses, e um escalador formidável. Os proprietários da raça podem atestar o aparente amor da raça por alturas e escaladas, o que a torna um cão muito difícil de manter confinado.

O Kishu era caçador de grandes animais, especializando-se em parar javalis nas montanhas da prefeitura de Wakayama, e até hoje muitos na raça mantêm o temperamento e o instinto necessários para caçar essa presa perigosa. A raça é confiante e não excessivamente excitável, mas uma vez focada na presa, é destemida, com uma resistência aparentemente interminável. O Shikoku também caçava grandes animais, nas altas montanhas conhecidas como o ‘Tibete do Japão’ na ilha de Shikoku. Sua forma atlética, alta energia e tenacidade ainda são evidentes na raça hoje. O Shiba era usado para caçar pequenos animais e pássaros, o que significa que um cão rápido e enérgico era preferido. O Hokkaido especializou-se na caça ao perigoso Urso Pardo, significando um caçador altamente vocal e tenaz, com a estrutura e força para se mover rapidamente através de neve profunda. Eles também precisavam de velocidade suficiente para caçar os grandes veados Ezo nativos de Hokkaido. O Akita, embora tenha mudado muito hoje em relação ao seu ancestral, o Matagi Ken, era uma vez uma raça de caça de porte médio, trabalhando grandes animais nas montanhas nevadas do norte de Honshu.

Para verdadeiramente apreciar e compreender a totalidade do Cão Nativo Japonês, é preciso conhecer e respeitar a sua herança. As características que nos atraem para essas raças existem por causa de gerações e gerações de seleção, algumas delas humanas, mas muitas delas naturais, que criaram este caçador magnífico, mas primitivo. Se quisermos preservar essas raças, selecionar apenas para exibição irá destruí-las, deixando apenas uma casca, um lindo cachorro que perdeu a alma.

História do Cão e do Homem

A questão sobre a característica que mais o distingue o homem dos seres não humanos, sempre ocupou filósofos e cientistas. Sabe-se há algum tempo que existia uma pré-condição anatômica para o desenvolvimento da linguagem nos hominídeos (isto é, o homem pré-histórico e seu parente mais próximo, o chimpanzé). Esta pré-condição foi o abaixamento da laringe provocada pela postura ereta.

Pesquisadores japoneses ultimamente presumiram que outra pré-condição anatômica fisiológica foi necessária, ou seja, um rebaixamento do osso hioide que só o homem tem. Uma vez rebaixado, a vocalização tornou-se possível, como a articulação bilabial e labiodental de consoantes.

A competência linguística é certamente uma característica marcante que distingue o homem do animal. No entanto, se tivermos consciência do fato de que os gêneros Homo (humano) e Pan (chimpanzé) já estavam separados definitivamente cerca de 5 a 6 milhões de anos atrás, torna-se óbvio que a capacidade de linguagem é um conquista muito tardia. Portanto, é legítimo perguntar se a linguagem como uma característica distintiva de humano e animal é suficiente ou se existe um critério que vai mais longe no passado.

Em primeiro lugar, deve-se ter em mente que o cérebro ampliado e elaborado do homem precisa de uma quantidade maior de energia. O cérebro humano é um órgão absolutamente “voraz”. A fim de satisfazer necessidades crescentes de energia, foram necessárias técnicas especiais para obter uma fonte adequada de alimentação, principalmente carne. Ela pode ser encontrada (casualmente), roubada (ocasionalmente) ou sistemática e continuamente capturada, ou seja, caçada.

A caça não é uma prática qualquer ao lado de muitas outras que contribuem para a nutrição. É mais do que uma técnica de subsistência pois reflete em uma organização complexa de comportamento que abrange toda a existência. Os caçadores e coletores do Paleolítico, como Homo erectus ou Homo neanderthalensis primeiro capturaram apenas carniça e presas fáceis, como animais doentes ou presos em vegetação, folhagem espessa ou fendas íngremes. A carne capturada era usada como alimento, a pele para roupas e os ossos como ferramentas como, por exemplo, tubos de chifre que podem ser usados para comunicação entre caçadores.

Os primeiros animais domésticos utilizados para alimentação por volta de 8.000 a.C. foram cabras, ovelhas, gado e provavelmente porcos. Muito antes dessa época, os cães tinham aparecido, sendo os primeiros animais domésticos. Esses primeiros cães certamente não eram mantidos para consumo, muito pelo contrário, eles eram tidos como cães de caça e de guarda.

Mikhail Sablin, que analisou o primeiro cão encontrado em Bryansk, perto de Moscou, apontou em uma entrevista que, presumivelmente, hierarquias de distribuição de recursos desiguais já havia sido estabelecidas e apenas pessoas privilegiadas podiam comprar um cachorro. Assim, desde o início os cães também foram objetos de prestígio e símbolos de status.

Cães de todas as partes do mundo que foram cuidadosamente enterrados fornecem evidências de que dentro de um período muito curto do tempo um tipo excepcional de relacionamento social, emocional e ritual entre homem e cão havia se desenvolvido. Diferentes formas de enterrar cães junto com humanos ou sozinhos, demonstram que os cães eram considerados indivíduos por direito próprio, como companheiros a uma pessoa falecida, bem como um objeto de sacrifício. A estima especial do cão visto em conexão com sua função de cão de caça, pode ser inferida do fato de que, acompanhada da diminuição da importância da caça nos períodos agrícolas subsequentes, essas formas de enterros também foram descontinuadas.

Cães enterrados

Desde que pesquisadores japoneses trouxeram – em suas palavras – “evidência molecular direta de que o ancestral do cão doméstico é o lobo”, em 1997, é de comum acordo que o cão doméstico deriva do lobo cinzento.

A teoria da subjugação é exemplarmente representada por Stanley J. Olsen com base na observação de que homens e lobos compartilhavam métodos semelhantes de caça em bando e estruturas sociais de grupo. Ela assume que os caçadores do Paleolítico Superior logo perceberam o quão útil a audição do lobo e os sentidos olfativos poderiam ser para a caça. Em vez de considerar o lobo como rival no território de caça comum, o homem tentou conquistar o lobo como auxiliar de caça. A reaproximação para fins de subjugação finalmente teve sucesso porque o lobo era adaptável o suficiente para ser domesticado. Como outras tentativas frustradas de domesticação com hienas, gazelas e raposas no antigo Egito demonstram, essa adaptabilidade do lobo estava longe de ser uma coisa natural, muito pelo contrário, do ponto de vista do homem era um golpe de sorte.

A teoria da afiliação, em contraste, duvida que o homem tenha uma visão ampla o suficiente para perceber as enormes vantagens que as habilidades do lobo ofereciam para a caça.

História do Cão e do Homem

Ao contrário dos animais domésticos, como gado ou porcos, os lobos domesticados não representou um valor imediato e apreciável como recurso alimentar. A teoria da afiliação assume que em lobos solteiros, vadiavam em torno de habitações humanas em busca de restos. A distância natural de aproximação gradualmente foi diminuindo.

De acordo com esta teoria, proclamada por Erik Zimen e Ray e Lorna Coppinger, os lobos não foram domados por iniciativa do homem, muito pelo contrário, os lobos se aproximaram dos humanos e podiam ser domados ainda filhotes. A origem do cão doméstico, assim, não foi um ato de subjugação do lobo, mas o lobo se submeteu espontaneamente em um ato de auto domesticação. Uma consequência dessa teoria é que o lobo não era interessante para o homem por causa de suas qualidades de caça, mas simplesmente como catador de sobras e restos.

Ambas as teorias aqui esboçadas deixam muitas questões em aberto. Em uma série de artigos inspiradores, o biólogo austríaco Wolfgang M. Schleidt propôs uma abordagem bastante nova para superar as alternativas de subjugação e autodomesticação. O que há de novo é que ele inverte a relação entre homem e lobo radicalmente. Partindo da assunção de um caráter basicamente “mau” dos hominídeos, ele assume que o lobo modificou o comportamento do homem: o homem primitivo egoísta aprendeu dos lobos como agir altruisticamente, socialmente – os lobos mostraram ao homem o caminho à “humanidade”. O homem não domou o lobo, pelo contrário, o lobo criou o homem “lupificado”.

Diferente da pré história europeia, a pré história japonesa pode ser vista em um período sem cerâmica (Pré-cerâmica) e outro caracterizado pela cerâmica. O período pré-cerâmico durou aproximadamente até 12.000 a.C., o período subsequente, chamado Jomon, até o século 2 a.C.

Como em todas as sociedades de caçadores e coletores, no Japão também a caça junto com a pesca era o recurso alimentar mais importante pois, ao contrário dos alimentos vegetais, estava disponível o ano inteiro.

O javali e o veado foram caçados principalmente usando armadilhas, bem como caça menor (lontra, marta, lebre e doninha) possivelmente usando armadilhas. As armadilhas tinham cerca de 1,5 m de comprimento e 1,5 m de profundidade e possuíam diferentes dispositivos (postes) em seu interior para privar o animal capturado de mobilidade.

Eles foram instalados ao lado das pegadas dos animais na esperança de que um deles pudesse ser pego. Uma técnica mais eficaz era colocar armadilhas em fileiras e flanqueá-las por cercas. Dessa forma, os animais poderiam ser conduzidos para esses corredores com as armadilhas. Essa é uma técnica também conhecida de outras partes do mundo. As armas de caça eram pontas de flecha de pedra em hastes de bambu

O único animal doméstico durante o período Jomon foi o cão que, junto com os primeiros colonizadores, veio para Japão pelo sul ou pelo norte via Ásia continental. O cão Jomon tinha estatura média, focinho comprido e stop raso. Ele foi usado para a caça

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?