SHIBA: As uvas malditas

SHIBA

Apesar de minha longa convivência com os cães, fiquei muito surpreso ao saber que uvas são perigosas para eles. Então, julguei importante emitir um alerta, para benefício de nossos Shibas. Uvas e passas são altamente tóxicas para cães, independentemente da raça, idade ou sexo. Os veterinários do Controle de Envenenamento Animal norte americano (APCC) descobriram, após vinte anos de mistério, as razões pelas quais as uvas são venenosas para cães: o ácido tartárico, nelas contido. Ele provoca vômito, diarreia, sede excessiva, danos ou insuficiência renal, podendo chegar ao óbito. Não há forma prática de avaliar a toxicidade da uva, dado que elas contêm diferentes níveis de ácido tartárico, dependendo do tipo, de onde foi cultivada e do seu grau de maturação. Uma quantidade tão baixa quanto 10 gramas de uvas por quilo de peso corporal já pode causar vários sintomas de toxicidade.

Não há forma prática de avaliar a toxicidade da uva, dado que elas contêm diferentes níveis de ácido tartárico, dependendo do tipo, de onde foi cultivada e do seu grau de maturação. Uma quantidade tão baixa quanto 10 gramas de uvas por quilo de peso corporal do cão já pode causar vários sintomas de toxicidade.

Todos os tipos de uvas, cozidas, sem sementes, descascadas, secas ou frescas, são tóxicas para os cães, mesmo em pequenas quantidades. O risco se estende a qualquer produto de uva, tais como sucos e geleias ou mesmo pães recheados com passas e barras de cereais.

Não há antídoto para envenenamento por uva. O veterinário pode induzir o vômito logo após a ingestão. Isso ajudará a remover as uvas do sistema do cão. Também pode sugerir dar carvão ativado para ajudar a minimizar a absorção de toxinas no intestino.

Foi realizada uma pesquisa com proprietários de cães que frequentam clínicas veterinárias no município de
Lavras, MG, sobre o nível de conhecimento da toxicidade de cacau/chocolate, cebola e alho, e uvas e uvas
passas nestes animais. 76,74% dos proprietários afirmaram saber dos malefícios que estes alimentos causam em
seus animais; 20,93% disseram nunca terem ouvido falar e 2,32% não souberam responder.

Apesar destas respostas, 16,28% dos questionados afirmaram fornecer a seus cães chocolate; 9,3% oferecem
uvas e uvas passas; e 46,51% dos proprietários oferecem cebola e alho às vezes, 4,65% dão estes alimentos com
frequência e 2,33% sempre fornecem a seus cães cebola e alho

Medidas preventivas são capazes de evitar os sintomas mais graves, que podem ser fatais. Os sintomas agudos se manifestam dentro de 24 horas da ingestão, sendo os sinais iniciais a fraqueza e a perda do apetite.

Certifique-se de que os familiares e amigos que visitam sua casa estejam cientes do risco de dar uvas ou derivados de uva aos cães.

Aproveitamos para lembrar outros alimentos também venenosos ou nocivos para nosso cães:

álcool, abacate, cafeína, tabaco, nozes, cogumelos, uvas, chocolate, noz-moscada, lúpulo, maconha, adoçantes,, alimentos mofados.

grãos, laticínios, capa de gordura, tomates, fígado, presunto e bacon, caroços e sementes, cebola e alho, açúcar, massa de fermento, ovos crus, óleos cítricos, peixe cru, comida de gato, sal.

Infelizmente, os novos odores são atrativos para os cães. Se comer uvas ou passas, o seu cão poderá estar perto na esperança que lhe dê uma ou que a deixe cair ao chão. Se ingerir uma ou mais uvas (ou uvas passas), o seu cão poderá exibir qualquer um dos sintomas abaixo:

  • Redução do apetite
  • Letargia ou fraqueza
  • Vómitos e/ou diarreira algumas horas após a ingestão
  • Flacidez do abdómen
  • Desidratação
  • Aumento da sede e produção de urina
  • Diminuição ou não produção de urina

Se não forem tratados, alguns cães poderão sofrer de insuficiência renal, que pode ser fatal. Se o seu cão comer uma uva ou uma uva passa, atue rapidamente e consulte o seu médico veterinário. Ele poderá recomendar que induza o vómito. Não induza o vómito se o seu cão estiver com dificuldades em respirar ou a exibir sinais de choque.

nicialmente, pode-se observar vômito nas primeiras 24 horas após a ingestão. Nas próximas 12-24 horas, podem ser vistos sinais clínicos de letargia, desidratação, vômito, diarreia, anorexia, dor abdominal, hálito urêmico e diarreia.

O tratamento para animais intoxicados com uvas e uvas passas é de suporte, incluindo a indução à emese
e o uso de carvão ativado, lavagem gástrica. Recomenda-se fluidoterapia agressiva por pelo menos 48 horas, para a reposição da hidratação e o suporte da função renal. Além disso, deve-se fazer a monitoração para sobrecarga de fluido e, se necessário, a
administração de furosemida ou manitol para o reestabelecimento do débito urinário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?